Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo
para profissionais de saúde


Você é um profissional de saúde?
Está a sair do conteúdo exclusivo para profissionais de saúde.
Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo para profissionais de saúde.
Está a ser redirecionado.
Disfagia hcpDisfagia hcp

Disfagia

Risco nutricional em pacientes com disfagia orofaríngea

A disfagia é uma condição clínica que se caracteriza por uma dificuldade na formação do bolo alimentar e/ou no transporte do bolo alimentar da boca para o estômago.

 

A disfagia afeta milhões de pessoas em todo o mundo, sobretudo indivíduos com doenças neurológicas e neurodegenerativas (30-82% segundo a doença neurológica específica), indivíduos com tumores da orofaringe, laringe ou região maxilofacial (até 80%) e em seniores que vivem em residências geriátricas (até 78%) ou internados num hospital (44%).

 

Apesar desta prevalência extremamente elevada, raramente a disfagia é incluída como um diagnóstico específico num relatório de alta hospitalar, em cuidados de saúde ou em cuidados primários. Esta omissão provoca uma falta de tratamento específico, o que afeta o estado de saúde, morbilidade e qualidade de vida destes indivíduos1.

 

As principais consequências derivadas da disfagia são a desidratação, a perda de peso, a desnutrição e pneumonia por aspiração (clinicamente visíveis e/ou silenciosas).

 

Atualmente, existem ferramentas de rastreio, de fácil diagnóstico e validadas que permitem uma deteção precoce, como o Eating Assessment Tool (EAT-10) e o Método de Exploração Clínica Volume-Viscosidade (MECV-V), métodos mais específicos quando são necessários de diagnósticos mais precisos2,3.

 

As adaptações na consistência dos líquidos mediante o uso de um módulo espessante como Resource® Espesante, e as adaptações da consistência dos alimentos sólidos através da utilização da alimentação básica adaptada (ABA), são um aspeto básico de tratamento e primordial para evitar complicações, diminuir a morbilidade, os custos hospitalares e melhorar a qualidade de vida destes indivíduos.

 

[1] Clavé p, García Peris P. Guía de diagnóstico y tratamiento nutricional y rehabilitador de la disfagia orofaríngea. Ed. Glosa 2011

2 Burgos R et al. Traducción y validación de la versión en español de la escala EAT-10 (Eating Assessment Tool-10) para el despistaje de la disfagia. Nutr Hosp. 2012;27(6):2048-2054

3 Clavé P et al. Accuracy of the volume-viscosity swallow test for clinical screening of oropharyngeal dysphagia and aspiration. Clinical Nutrition 2008; 27: 806-815