Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo
para profissionais de saúde


Você é um profissional de saúde?
Está a sair do conteúdo exclusivo para profissionais de saúde.
Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo para profissionais de saúde.
Está a ser redirecionado.
Acidente Vascular Cerebral (AVC) hcpAcidente Vascular Cerebral (AVC) hcp

Acidente vascular cerebral (AVC) e saúde cognitiva

Risco Nutricional em indivíduos com AVC

O AVC é um défice do funcionamento de algumas áreas do sistema nervoso central, devido a uma alteração na circulação cerebral. Esta alteração pode ser de origem isquémica ou hemorrágica. O AVC provoca alterações motoras e sensitivas nos indivíduos, temporárias ou permanentes, que têm impacto significativo na qualidade de vida. A disfagia é uma das consequências que mais afetam o indivíduo. Esta pode provocar complicações graves, sendo a desnutrição uma das mais importantes. Deve ser avaliado o estado nutricional dos indivíduos com AVC e iniciar, o mais rápido possível, o suporte nutricional adequado.

 

O AVC ou doença cerebrovascular aguda é uma manifestação de um défice temporário ou permanente do funcionamento de áreas do sistema nervoso central produzido por uma alteração da circulação cerebral. A origem desta alteração pode classificar-se em acidente vascular cerebral isquémico (85%) ou acidente vascular cerebral hemorrágico (15%). O AVC provoca alterações motoras e sensoriais que podem permanecer na forma de sequelas e impactar negativamente a qualidade de vida dos indivíduos. As sequelas afetam as atividades da vida diária dos indivíduos. O AVC também causa uma alteração na qualidade de vida dos cuidadores do indivíduo. A disfagia é uma das sequelas que impacta mais os indivíduos e que mais sobrecarrega os prestadores de cuidados.

 

O estado nutricional do indivíduo com AVC é um aspeto muito importante a considerar. A desnutrição é um fator de prognóstico desfavorável nestes indivíduos, com uma maior mortalidade e presença de complicações, tais como pneumonia e outras infeções e alterações da integridade cutânea como úlceras por pressão. Especificamente, o índice de massa corporal (IMC) está inversamente relacionado com o aumento da mortalidade. Assim, os indivíduos com baixo peso (IMC<18,5 kg/m2) são os que apresentam uma maior mortalidade em comparação com os indivíduos normoponderais. Os indivíduos desnutridos na admissão hospitalar apresentam um maior número de complicações e os que estão desnutridos no momento da alta apresentam um pior prognóstico funcional em três meses.

 

Como foi referido, deve ser realizada uma avaliação ao estado nutricional dos indivíduos com AVC, avaliada a presença de disfagia, e iniciado, o quanto antes, o suporte nutricional adequado mais indicado ao indivíduo1,2,3.

 

  1. Guía de Práctica Clínica para el Manejo de Pacientes con Ictus en Atención Primaria. Plan de Calidad para el Sistema Nacional de Salud del Ministerio de Sanidad y Política Social. Unidad de evaluación de Tecnologías Sanitarias de la Agencia Laín Entralgo de la Comunidad de Madrid; 2009. Guías de Práctica Clínica en el SNS: UETS N.º 2007/5-2.
  2. Pinedo S, Erazo P, Miranda ZM, Lizarraga N, Gamio A, Tejada PI, Zaldibar B, Aycart J, Gómez I. Calidad de vida del paciente con ictus y de su cuidador. Pronóstico y resultados del tratamiento rehabilitador. Investigación Comisionada. Departamento de Salud. Gobierno Vasco. Vitoria-Gasteiz. 2013. Informe Osteba D-13-06.

Burgos Peláez R, Segurola Gurrutxaga H, Bretón Lesmes I. [Nutritional support in stroke patients]. Nutr Hosp. 2014;29 Suppl 2:57-66.