Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo
para profissionais de saúde


Você é um profissional de saúde?
Está a sair do conteúdo exclusivo para profissionais de saúde.
Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo para profissionais de saúde.
Está a ser redirecionado.
Diarreia e Nutrição EntéricaDiarreia e Nutrição Entérica

Diarreia como causa de desnutrição

AS DIARREIAS PODEM SER A CAUSA DE DESNUTRIÇÃO OU DESIDRATAÇÃO

A diarreia aguda define-se como um episódio isolado de diarreia com duração inferior a 2-3 semanas. Quando a diarreia se prolonga no tempo ou quando reaparece de forma intermitente, deve-se investigar a existência de uma doença digestiva ou sistémica responsável pela mesma, antes de iniciar qualquer intervenção terapêutica.


A diarreia é uma alteração digestiva que pode estar relacionada com a má absorção dos nutrientes e a perda de líquidos. Qualquer aceleração anómala do trânsito pode levar potencialmente à malabsorção e perda de nutrientes e a médio-longo prazo, se não forem adotadas medidas corretivas, desnutrição devido à não satisfação das necessidades nutricionais e desidratação.


As causas da diarreia podem ser muito diversas:

  • A diarreia pode ser provocada por medicamentos, como os antibióticos, os antiácidos, tratamentos específicos, etc. Estas diarreias não são acompanhadas de febre e desaparecem quando se interrompe o tratamento.
  • As intolerâncias/alergias alimentares podem também ter um impacto no trânsito intestinal e provocar diarreias. É necessário, portanto, identificar e eliminar o alimento problemático em questão, evitando ao mesmo tempo qualquer tipo de carência alimentar. Recomenda-se que consulte um profissional de saúde e nutricional para um aconselhamento nutricional adequado.
  • A diarreia pode ter origem infecciosa: a gastroenterite é uma infecção inflamatória da mucosa do tubo digestivo; é acompanhada de dores no abdómen e por vezes vómitos. A gastroenterite pode causar desidratação temporal e requer uma realimentação em tempo hábil.
    A gastroenterite é geralmente de origem viral mas pode ser provocada por uma inflamação bacteriana ou parasitária. Quando é de origem viral, a gastroenterite é também muito contagiosa e pode provocar febre (febre moderada) ou sangue nas fezes. Todos estes sintomas e a própria gastroenterite, geralmente duram pelo menos 3 dias.
    A gastroenterite bacteriana é ligeiramente diferente e podem durar até 2 semanas. Em caso de dúvida ou de dor aguda, não deixe de consultar um médico.
  • O stress também pode ser causa de diarreia (uma situação díficil no trabalho, o falecimento de alguém próximo, um acontecimento traumático, etc.).
  • A diarreia é umas complicações mais frequentes associadas à nutrição entérica por via sonda, quando esta é necessária. Para prevenir/tratá-la deve-se establecer critérios de administração assim como selecionar a fórmula nutricional mais adequada a cada caso.

Diarreia e malabsorção digestiva

 A malabsorção digestiva pode ser consequência de uma secreção inadequada de enzimas digestivas, de uma alteração da mucosa digestiva após jejum prolongado ou de uma doença inflamatória do tubo digestivo. É um dos sintomas associados à fibrose quística, mas também pode ocorrer em pancreatite crónica e mucosite intestinal. Em qualquer caso, deverá consultar um profissional de saúde, a fim de poder investigar e remover o factor desenadeante, realizar a reposição de água e sais minerais assim como modificações nutricionais adequadas.

Que alimentação se recomenda em casos de diarreia?

A alimentação pode desempenhar uma função importante tanto nas causas como no tratamento da diarreia. Em caso de diarreia aconselha-se a:

  • Fraccionar a alimentação em várias refeições ao dia (6-8/dia de acordo com a tolerância)
  • Realizar ingestão com pequeos volumes
  • Escolher uma textura dos alimentos  mais macia ou triturada, por exemplo, em puré de cenoura e batata, compotas de maçã e banana ou maça e marmelo.
  • Consumir carnes magras, peixe (cozido), presunto ou frango.
  • Consumir alimentos a uma temperatura morna.
  • Realizar confeções como cozidos, grelhados, a vapor ou no forno de acordo com a tolerância individual.
  • Evitar: fritos e guisados, temperos fortes, carnes vermelhas, café, chocolate, álcool e refrigerantes, legumes e frutas (exceto as recomendadas, como por exemplo, sumo de limão pelo seu alto conteúdo de tanino), leite e líquidos com elevada concentração de sais ou açúcares pela sua elevada osmolaridade.