Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo
para profissionais de saúde


Você é um profissional de saúde?
Está a sair do conteúdo exclusivo para profissionais de saúde.
Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo para profissionais de saúde.
Está a ser redirecionado.
Oncologia/Cancro hcpOncologia/Cancro hcp

Oncologia/Cancro

Risco nutricional em pacientes oncológicos

Em indivíduos com cancro, o estado nutricional é afetado pela própria doença e pelos tratamentos antineoplásticos. A desnutrição afeta a qualidade de vida dos indivíduos e é um importante fator de prognóstico na evolução da doença. A desnutrição pode ser devido a: malnutrição calórico-proteica de predomínio energético (diminuição do aporte energético e nutrientes associada à doença e aos fármacos citostáticos) ou malnutrição calórico-proteica mista (por aumento do catabolismo em situações como infeções ou cirurgia).

Um dos desafios mais importantes que o profissional de oncología enfrenta é manter um estado nutricional adequado nos pacientes com cancro. A própria doença oncológica ou os tratamentos antineoplásicos podem permitir o aparecimento de um estado de malnutrição prévio à presença de desnutrição.

A desnutrição num paciente com cancro é um importante fator de prognóstico da doença, com uma menor sobrevida dos indivíduos com estado de desnutrição mantido e uma pior tolerância aos tratamentos, um maior número de readmissões hospitalares e um maior número de infeções. Sendo pouco tolerada, os pacientes não podem realizar o cumprimento adequado dos tratamentos, o que causa uma pior eficácia dos mesmos. Além de limitar o prognóstico dos pacientes, a desnutrição impacta a qualidade de vida dos pacientes1. Assim, as dimensões do bem-estar físico, funcional, psicológico e social dos pacientes são afetados pela própria evolução da doença e agravam-se a um estado de desnutrição. Uma recuperação do estado nutricional relaciona-se com uma melhor qualidade de vida, uma recuperação de aspetos fundamentais para os pacientes e a sua esfera psicossocial2, assim como a prevenção das interrupções dos tratamentos antineoplásicos3.

 

A desnutrição associada ao cancro pode ser devido a duas situações:

 

  • Malnutrição calórica-proteica de predomínio energético: por uma diminuição do aporte de energia e nutrientes. Relaciona-se com as dificuldades mecânicas para a ingestão, as alterações da absorção na digestão secundárias à toxicidade dos citostáticos e a anorexia associada à depressão.   
  • Malnutrição calórico-proteica mista: ocorre em situações de aumento do catabolismo que o paciente com cancro enfrenta, como as intervenções cirúrgicas, estados febris ou as infecções1.

      1.    Álvarez Hernández J, Muñoz Carmona D, Planas Vila M, Rodríguez Rodríguez I, Sánchez Rovira P, Seguí Palmer MA. Guía Clínica Multidisciplinar sobre el Manejo de la Nutrición en el Paciente con Cáncer. Sociedad Española de Oncología Médica (SEOM). Sociedad Española de Nutrición Parenteral y Enteral (SENPE). Sociedad Española de Oncología Radioterápica (SEOR); 2008.

       

      2.     Lis CG, Gupta D, Lammersfeld CA, Markman M, Vashi PG. Role of nutritional status in predicting quality of life outcomes in cancer--a systematic review of the epidemiological literature. Nutr J. 2012;11:27.

       

      3.     Arends J, Bodoky G, Bozzetti F, Fearon K, Muscaritoli M, Selga G, et al. ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition: Non-surgical oncology. Clin Nutr. 2006;25(2):245-59.