Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo
para profissionais de saúde


Você é um profissional de saúde?
Está a sair do conteúdo exclusivo para profissionais de saúde.
Este conteúdo que está a tentar aceder é exclusivo para profissionais de saúde.
Está a ser redirecionado.
DiabetesDiabetes

Alimentação em pessoas com diabetes

Diabetes: a alimentação ajuda a prevenir complicações

Além do tratamento farmacológico e do estilo de vida saudável, levar uma alimentação adequada é fundamental no tratamento de indivíduos diabéticos.

A diabetes é uma doença crónica do metabolismo dos açúcares que se manifesta com um aumento do nível de glicose no sangue (hiperglicemia) devido à carência absoluta ou relativa de insulina (uma hormona produzida pelo pâncreas).

Vários estudos clínicos (1) demonstraram que, além do tratamento farmacológico e do estilo de vida saudável, uma alimentação adequada tem o valor de um verdadeiro tratamento e é essencial para alcançar e manter um equilíbrio metabólico ótimo, reduzir o risco cardiovascular e prevenir e tratar, da melhor maneira possível, as complicações do indivíduo diabético.

O controlo do indivíduo diabético vai mais além dos valores da glicemia.

As principais sociedades científicas recomendam não só controlar os valores da glicemia (açúcar no sangue), mas manter os valores normais de colesterol e triglicéridos no sangue, assim como os valores normais da pressão arterial. Isto ajudará a prevenir o aparecimento de doenças cardiovasculares relacionadas com a diabetes.

 

Os hidratos de carbono devem assumir uma parte fundamental da alimentação diária.

Embora não exista uma quantidade igual de hidratos de carbono para todos os indivíduos com diabetes, estes devem representar entre 45 a 60% da energia total e provir, especialmente, de alimentos ricos em fibras solúveis (fruta, legumes e leguminosas) e/ou alimentos de baixo índice glicémico (massas, legumes). Deve-se limitar o consumo de açúcares simples, como o açúcar de mesa e desaconselha-se o consumo de bebidas açucaradas.

Outras recomendações a ter em conta:

  • Deve assegurar a ingestão de proteínas (15-20% da energia diária). O seu consumo é fundamental, especialmente em idosos, para manter a massa muscular e potenciar o processo de cicatrização e das funções imunológicas.
  • Controlar o consumo de lípidos (não superar 35% do total da energia diária) que devem provir principalmente de óleos de origem vegetal, sendo fundamental reduzir as gorduras saturadas de origem animal.
  • Beber pelo menos 1,5 litros de água (8-10 copos) por dia para conservar a função renal, hidratar a pele e reduzir o risco de obstipação.
  • Recomenda-se a realização de uma alimentação rica em fibra vegetal, com o duplo objetivo de melhorar o controlo glicémico e reduzir o colesterol. Além disso, a fibra pode ajudar a reduzir o risco cardiovascular e a alcançar um peso corporal adequado.
  • Controlar o consumo de sal de mesa, prestando atenção também aos alimentos salgados (enchidos, queijos curados e caldos).
  • Algumas situações clínicas (por exemplo, uma doença aguda ou uma intervenção cirúrgica) e/ou particulares (acontecimentos de impacto emocional) podem provocar perda de apetite, menor consumo de alimentos e, consequentemente, fadiga e cansaço. Os suplementos nutricionais específicos para indivíduos com diabetes podem ajudar a manter e melhorar o estado nutricional. Se apresentar algum destes sintomas, consulte o seu profissional de saúde.